Monthly Archives: dezembro 2016

Termosires promete uma grande cirurgia em Formosa do Rio Preto.

O prefeito de Formosa do Rio Preto, Termosires Neto (PRB), promete realizar uma grande cirurgia em Formosa do Rio preto como forma de estancar a sangria do dinheiro público na cidade.

Segundo informações colhidas, umas das principais áreas é o setor da educação que somente com a folha de pagamento consome a totalidade dos recursos do FUNDEB.

Um remédio amargo pode ser prescrito: Plano de Demissão Voluntária (PDV), como forma de reduzir aproximadamente 50% de docentes no quadro efetivo. Segundo informações, Termosires recebeu entre 90 e 95% dos votos entre os professores.

Reunido na última sexta-feira (30), com vereadores de sua futura base aliada, o alcaide recebeu o apoio de pelo menos 9 edis para o seu projeto.

Determinado a dar um choque de gestão e nos gastos da máquina pública, propõe governar com “austeridade”, justificando aos edis que a medida se justifica uma vez que a cidade está impossibilitada de investir em obras e serviços, a exemplo reforma de prédios escolares e na geração de emprego e renda.

Especula-se ainda que Termosires, – pouco preocupado com popularidade – poderá inclusive fazer cortes na própria carne: reduzir o seu próprio salário, de secretários e demais comissionados, bem como analisar ganhos de todos os servidores da ativa.

Escola Benedito Araújo faz formatura de alunos do 5º ano.

Aconteceu no dia 16 de dezembro, formatura de alunos do 5º ano da Escola Municipal Benedito Araújo onde pais e alunos lotaram a quadra Aby Lisboa, centro de Formosa do Rio Preto, em clima de total alegria.

Além da diretora da escola, Joselene Damaceno e de sua vice, Janaína Oliveira participaram do evento o prefeito Gerson Bonfantti, a primeira dama de Formosa do Rio Preto, Bertila Bonfantti, o secretário Elias Santos e a presidente da APLB-Sindicato, Janete Serpa.

Formosa do Rio Preto: Rosita se encontra com o governador Rui Costa.

A vereadora eleita por Formosa do Rio Preto, Rosita (PT), teve encontro com o governador Rui Costa na manhã desta quinta-feira (23). O encontro aconteceu na cidade de Barreiras onde o governador inaugurou a ampliação do sistema de tratamento de água e a rede de esgotamento sanitário, benefícios que alcançam mais de 250 mil pessoas. O governador Rui Costa realizou as entregas que, somadas, totalizam um investimento de quase R$ 118 milhões.

Na série de compromissos em Barreiras, Rosita acompanhou Rui Costa nas obras de instalação de uma base avançada do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer). Com previsão de entrega para janeiro de 2017, a base contará com hangar para abrigo de duas aeronaves, salas para manutenção, administração, capacitação e ginástica, alojamentos e refeitório.

Rosita e Rui são velhos conhecidos e militantes do mesmo partido, o Partido dos Trabalhadores (PT).

Formosa do Rio Preto: Hildjane solicita ao governador melhorias para o município.

Antes mesmo de tomar posse, O enfermeiro Hildjane, o vereador mais votado nas eleições de 02 de outubro, com 875 votos (6,8%), esteve em Salvador no dia 19 a convite do deputado federal José Rocha para participar de reunião com o governador do Estado, Rui Costa.

Hildjane, na oportunidade apontou ao governador Rui Costa as áreas que necessitam de maior atenção em Formosa do Rio Preto.

“Ainda mesmo antes de tomar posse, estou me empenhando desde já para contribuir com o desenvolvimento da cidade. Saúde, educação, agricultura e meio ambiente devem ser prioridades em formosa do Rio Preto. Quero fazer de meu mandato um canal de contato direto entre o parlamento e o executivo, seja no nível municipal, estadual ou federal”, disse o vereador.

Segundo o deputado José Rocha, “Formosa do Rio Preto é um município de destaque no cenário baiano por sua capacidade de produção agrícola e também pela força de trabalho de sua população. Quero através do vereador eleito Hidjane poder colaborar com o desenvolvimento deste magnífico”, concluiu o deputado.

Formosa do Rio Preto: Funcionários da educação participam de festa de confraternização.


A Secretaria Municipal de Educação de Formosa do Rio Preto realizou no noite desta terça-feira (20), uma grande festa de confraternização para os funcionários públicos do setor da Educação Municipal.

O evento aconteceu no auditório do Colégio Municipal Coração de Jesus e envolveu diretores de escola, supervisores, motorista e servidores dos mais diversas atividades administrativas da pasta onde durante a festa foi servido um delicioso jantar, sorteios de diversos prêmios e muita música ao vivo animando a todos.

O Secretário Elias Santos agradeceu ao prefeito Gerson Bonfantti pelo imenso apoio dado à Educação Pública Municipal, assim também como o trabalho e empenho dos funcionários desejando à todos um novo ano de muitas conquistas na Educação.

“É tempo de repensar valores de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca. Também é tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez mais feliz. 2016 foi um ano de bastante aprendizado para todos nós, apesar do pouco tempo que estivemos juntos pude conhecer melhor cada um e crescer com vocês realizando a tarefa diária de uma equipe unida e disposta a fazer a diferença. Sei que não conseguimos resolver tudo que precisava ser resolvido, mas o que esteve ao nosso alcance foi devidamente solucionado, e com grande prazer e estima que desejo a todos um feliz Natal repleto de coisas boas e um Ano Novo de infinitas realizações”, disse o secretário Elias Santos.

O prefeito Gerson Bonfantti em fala rápida reconheceu o esforço da equipe de Educação pelos objetivos alcançadas neste seu curto período como prefeito.

“Quero agradecer o empenho de todos vocês. Me sinto gratificado pela seriedade e compromisso no desempenho de suas tarefas. Sinto que a escolha do nome do secretário Elias Santos foi de extremo acerto, pois o mesmo sobre transmitir com fidelidade o espírito deste governo que é trabalhar pela melhoria da educação de Formosa do Rio Preto. Estão todos vocês de parabéns, explanou o prefeito Gerson.

Finalizando as falas, a presidente do Sindicato dos Professores Municipais (APLB), Janete Serpa, ressaltou a independência da entidade enquanto órgão defensor da categoria ao mesmo tempo em que explanou sobre o ambiente democrático estabelecido pela atual administração municipal.

“Encontramos um amplo espaço para o debate e a negociação neste governo encabeçado pelo prefeito Gerson Bonfantti. Ainda que houvesse divergências, sempre fomos recebidos e alguns de nossos pleito foram atendidos. Lamento que não há tempo suficiente para avançarmos no diálogo. O Gerson sempre nos deu ouvimos, mesmo antes de assumir a prefeitura. Ele merece todo o nosso respeito”, disse.

A festa ainda contou ainda com a presença da primeira dama do município, Bertila Bonfantti e da coordenadora de comunicação do município, Marilene Martins e seu esposo.

Para ver todas as fotos, clique aqui com o seu Facebook conectado

Termosires e Verônica Lisboa são diplomados prefeito e vice de Formosa do Rio Preto.

O Prefeito eleito Termosires Neto e sua vice Verônica Lisboa foram diplomados na noite da última sexta-feira (16) em sessão solene na sede do poder legislativo de Formosa do Rio Preto. Na ocasião também foram diplomados os 11 vereadores eleitos e suplentes.

Em entrevista concedida recentemente à TV CÂMARA de Barreiras, Termosires Jaime Modesto que pretende administrar Formosa do Rio Preto de forma austera e rígida para que consiga desenvolver uma gestão inovadora que ao final seja reconhecida como boa pela população.

Veja abaixo o vídeo.

Trabalhadores de Formosa têm duas semanas para sacar abono salarial de 2014.

Os brasileiros que trabalharam pelo menos dois meses com carteira assinada em 2014 têm até o próximo dia 29 para sacar, na rede bancária, o benefício de um salário mínimo (R$ 880) referente ao Programa de Integração Social (PIS), administrado pela Caixa Econômica Federal e ao Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), administrado pelo Banco do Brasil.

O PIS é destinado aos trabalhadores do setor privado e o Pasep, aos do setor público. Segundo informações do Ministério do Trabalho, até o início de dezembro, mais de 930 mil pessoas com direito aos recursos ainda não tinham feito o saque. Caso os beneficiários não saquem o dinheiro até a data limite, os valores serão destinados ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

A data final para o saque é 30 de dezembro. No entanto, como será um sábado e não haverá expediente bancário, só poderão sacar nesse dia as pessoas que têm Cartão Cidadão com senha registrada. Neste caso, poderão se dirigir aos caixas eletrônicos da Caixa ou a agências lotéricas. O Ministério do Trabalho, contudo, recomenda que os trabalhadores não deixem o saque para o último dia, pois caso haja problemas na operação não haverá tempo hábil para a resolução.

Segundo o ministério, é comum os atendentes bancários pensarem que se trata do benefício referente a 2015 e, após checar os dados do trabalhador, informar que ele não tem direito ao saque. Nesse caso, a orientação é explicar que se trata do abono salarial do ano-base 2014. Caso ainda assim os dados não sejam localizados, é possível pedir para fazer uma atualização cadastral no próprio banco.

O trabalhador também pode checar se tem direito ao abono pela internet, informando o número do CPF ou do PIS/Pasep e a data de nascimento. Ele também pode procurar a Central de Atendimento Alô Trabalho, no número 158. Veja a lista abaixo e para ver a lista completa da Bahia clique aqui.

Gerson Bonfantti, prefeito de Formosa concede entrevista.

O prefeito de Formosa do Rio Preto, Gerson Bonfantti, em entrevista por telefone, falou sobre a sua administração. A pouco mais de 2 meses à frente da administração municipal falou das dificuldades de seu governo, do seu prazer em concretizar projetos, sobre as suas ações e suas prioridades de governo. Gerson assumiu o compromisso de que até o final de sua gestão, entregar 70 ações e obras 100% concluídas. Entre os seus maiores objetivos, estão a construção do Distrito Industrial como forma de geração de emprego e também qualidade de vida através ações que impactem a vida do formosense. Leia abaixo a seguir a entrevista

“A coisa que mais gosto é isso! É poder fazer a coisa acontecer! Não vejo a hora do dia clarear para poder sair para rua e trabalhar”, Gerson Bonfantti

Repórter – A quanto tempo você estar à frente da administração municipal?

Gerson Bonfantti – Eu sumiu a prefeitura no dia 22 de outubro, mas estive também entre os dias 02 de junho até o dia 22 do mesmo ano. Período em que pude consertar muita coisa que estava errada. Agora estou desde o dia 20 de outubro, 56 dias no governo.

Repórter – Como você encontrou a prefeitura ao assumir o governo?

Gerson Bonfantti – Era muita desorganização, um total desgoverno, não havia se quer um setor que não houvesse irregularidades. Assim que assumi, iniciei uma auditoria nas contas e encontrei uma série de irregularidades a exemplo da empresa de lixo que recebia R$ 320.000,00 por mês. Rescindimos esse contrato e contratamos nova empresa que colocou o dobro de pessoas trabalhando pela metade do valor oferecendo um serviço de maior qualidade e regularidade.

Repórter – E como foi encontrado o caixa da prefeitura?

Gerson Bonfantti – Ao assumir tínhamos R$ 479 mil de saldo em caixa e aproximadamente 15 milhões de dívidas através de empenhos. Através da auditoria, detectamos graves irregularidades e reduzimos de imediato a dívida para R$ 10.700 milhões anulando vários empenhos fraudulentos. Ainda estamos auditando pra baixar em ainda mais. Nosso objetivo é garantir a continuidade dos serviços essenciais e o pagamento de salários dos servidores. Acredito que não podemos causar prejuízo para aqueles que realmente prestaram serviços no município, porém sabemos que não vamos quitar todas as dívidas, pois não existe recursos previstos. A dívida aproxima-se de 30 milhões, sendo 15 milhões em empenhos e outros 15 milhões com a folha de pagamento que corresponde ao pagamento de outubro, novembro e dezembro, décimo terceiro salário e 1/3 de férias de rescisões. Estamos com a folha em dia, pagamos 50% do décimo terceiro salário pago no mês passado, até a próxima terça-feira pagamos a outra metade e já temos garantido recursos para o salário de dezembro.

Repórter – Gerson, você está às vésperas do final deste seu curto mandato, quais são as principais ações que você destaca?

Gerson Bonfantti – Sem dúvida alguma, uma das principais ações foi tapar o ralo do desperdício por que passava Formosa do Rio Preto. Até o dia 31 de dezembro, estaremos entregando a população 70 obras e ações 100% concluídas. Sempre tivemos o sonho da instalação de um Distrito Industrial no município para a geração de empregos. Acreditamos que o próximo governo, que é parceiro nosso, terá muito êxito em função de já haver procura de empresas. Já fizemos a recuperação de diversas praças no município, entre elas destaco as intervenções feitas no Jardim Progresso (antigo Peba), onde realizamos importante obra de drenagem das águas da chuva com abertura de canal. Só para se ter uma ideia, no ano de 2015 houve uma chuva de 88 milímetros que inundou o bairro alagando as casas. Nesse ano de 2016, após as obras foram aproximadamente 120 milímetros e as águas nem chegaram perto das casas. Ainda no Jardim Progresso fizemos cascalhamento em 100% das ruas levando 1.000 de guias  e calçadas dentro dos padrões do código de posturas dando dignidade e qualidade de vida aos moradores.

Repórter – Mas se a prefeitura estava sem dinheiro como está sendo possível pagar salários e ainda executar obras e serviços?

Gerson Bonfantti – Recebemos repasse do governo Federal referentes a repatriação de divisas. Foram quase R$ 1.200.000,00 que estão nos ajudando em muito. Outro caminho encontrado, após análise da folha de pagamento, constatamos grande quantidade de servidores fantasmas ou ainda que recebiam e não trabalhavam. Cortei esses gastos desnecessários e convoquei os servidores para conscientiza-los sobre a importância do serviço público. Fiz alguns remanejamento de servidores colocando-os em outros setores que se encaixavam melhor aos seus perfis. A fórmula do olho-no-olho e da austeridade está dando certo e quero poder continuar contando com o empenho de todos.

Repórter – E o que a população pode esperar até o final do seu mandato?

Gerson Bonfantti – Até o dia 31 de dezembro teremos 70 ações e obras nos mais diversos setores da administração pública 100% concluídas e entregues a população. Já reformamos as praças da cidade (Santa Helena, CESP, Matriz, Santuário), iluminação pública está sendo feita. Com relação a distribuição de água, fizemos um excelente trabalho. Fizemos ornamentação de natal dando uma cara nova na cidade fazendo com que o natal fosse visto. Finalizamos algumas obras paralisadas como a quadra da Santa Helena, do Novo Horizonte, e a quadra do bairro Projeto que até o dia 31 vamos entregas. Trabalhamos na questão do lixão onde mudamos o local para mais 4 quilômetros distante do centro para evitar mal cheiro e doenças. Recolhemos todo o lixo que estava na estrada próxima para ao aeroporto. Estamos fazendo capinação e limpeza total da cidade. Fizemos jogos esportivos na cidade que a muito tempo não eram feitos onde por três finais de semana seguidos, realizamos o campeonato de futsal, fizemos a final do futebol de campo e organizamos o campeonato infantil e juvenil. No dia 16, 17 e 18 próximo, estamos reiniciando os Jogos do Rio Preto paralisado há alguns anos. São 12 municípios confirmados em várias modalidades, sendo que no domingo (6), na grande final, teremos um trio elétrico e banda na rua pra comemoração da festividade esportiva. Fiz a recuperação de várias máquinas e veículos (o que podia ser feito), que estavam jogados no pátio. Por exemplo, de 5 caminhões que não estavam funcionando coloquei 3 em condições de funcionamento.

Na distribuição de água, colocamos 12 carros pipas pra trabalhar nesse período de outubro a novembro ao custo de R$ 43 mil. No governo passado eram gastos R$ 250 mil e não se via nada.

Para reduzir o custo na distribuição de água, adquirimos 12 bombas de poços artesianos para comunidades diversas e adequações e reparos foram feitas em toda rede de distribuição e no sistemas dos poços. Nossa expectativa é que até o fim do mês, somente dois carros pipas estejam em operação. Atualmente são quatro.

Estamos economizando mais de R$ 50 mil somente com a distribuição de água. Só pra dar um exemplo, na comunidade do Pavão, a população estava a mais de 30 dias sem água e foi gasto apenas R$ 42 para regularizar o sistema de água. O que acontecia era um verdadeiro desgoverno. Outro caso semelhante aconteceu na comunidade do Arroz que tem um sistema de água feito pela CESB, um sistema muito bom, onde a 26 dias, aproximadamente 2000 pessoas estavam sem água e o que faltava era a contratação de um profissional especializado pra fazer a ligação e o tratamento da água. Assumimos a prefeitura no dia 20 de outubro, ás 13:45 e as 15 horas já estávamos com a água nas torneiras do pessoal. Essa contratação do profissional não onerou o município, tudo foi custeado pela CERB.

Um outro programa que é a “menina dos olhos” deste governo, é a aração de terra de pequenos agricultores. Se no governo passado foi gasto, R$ 1 milhão e 638 reais. Nós estamos gastando R$ 250 mil com a contratação de 19 tratores. O investimento é de aproximadamente R$ 240 mil já inclusas todas as despesas. Com a ação, vamos beneficiar mais de 1.000 com a aração de terra, cerca de 90% da demanda. Essa aração é feita indistintamente através de um cadastro independentemente de quem seja a pessoa ou mesmo critério político. Já fizemos distribuição de aproximadamente 700 cestas básicas para as pessoas carentes, sorteamos publicamente, colchões de densidade 45 novos que estavam “escondidos” e adquiridos através de uma multa do IBAMA. Temos o Projeto “Natal da Família” onde vamos distribuir 5.000 cestas básicas que atenderá praticamente 80% da população de Formosa do Rio Preto. Fizemos um cadastro total na cidade onde foi feita uma criteriosa avaliação para fazer esta distribuição. O município tem uma renda per capta elevada, algo próximo a R$ 45.000, maior que o da cidade de Luiz Eduardo Magalhães que é R$ 23.000, mas nós sabemos que nosso povo é pobre porque essa renda é mal distribuída, ou seja; existem os grandes agricultores que ficam com 99% da renda enquanto 99% da população fica com apenas 1%. Implantamos uma linha de ônibus gratuito na cidade em caráter experimental. Espero que o próximo governo implante essa ideia. Fizemos a recuperação dos cemitérios da cidade. Na área da educação lançamos o DEP que irá facilitar em muito o sistema de acompanhamento e controle escolar por professores, direção de escolar e a secretaria de educação.

Manifestação contra a aprovação da PEC dos Gastos Públicos, em Brasília.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

13/12/2016- Brasília- DF, Brasil- Manifestação contra a aprovação da PEC dos Gastos Públicos.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Lula Marques/ AGPT

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

PIB municipal realça concentração de renda no país

Dados da pesquisa Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios 2014 realçam a concentração de renda e também populacional existente no país. Divulgado hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o levantamento revela que apenas sete municípios responderam por todos os bens e riquezas produzidos no Brasil naquele ano e que esses municípios concentravam 14,3% da população.

Em 2014, os sete dos 5.570 municípios existentes concentradores das riquezas geradas movimentaram 25% dos R$ 4,97 trilhões correspondentes ao valor adicional bruto (VABs), que significava um crescimento nominal de 9,2% em relação ao valor adicional de 2013 – ou seja, da produção dos setores da indústria, serviços e agropecuária.

Quando agregada à renda dos 62 maiores municípios do ponto de vista de participação no PIB, os valores chegaram a corresponder naquele ano a quase metade do PIB nacional e a concentração populacional chegava a 32,8% do total do país.

No lado oposto do ponto de vista da concentração de renda, tomando como base o ano de 2014, os dados divulgados pelo IBGE permitem a constatação de que, entre os 1.379 municípios que integravam a última faixa de participação relativa, eles responderam por aproximadamente 1% do PIB e concentravam apenas 3,3% da população brasileira.

Nesta faixa, 73,2% dos municípios estavam localizados no Piauí, 59,6% na Paraíba, 51,8% no Tocantins e 50,9% dos municípios do Rio Grande do Norte. O que, na avaliação do IBGE, mostra “não só a concentração da geração interna da renda como também a difusão espacial na produção desta renda”.

De uma maneira geral, segundo o IBGE, não houve alterações significativas entre os maiores municípios do ponto de vista da concentração de renda entre 2010 a 2014.

O VAB (Valor Adicional Bruto) é o valor da produção sem duplicações, ou seja, descontando-se do Valor Bruto da Produção (VBP) o valor dos insumos utilizados no processo de produtivo. Ele é sempre calculado a preços básicos, excluindo qualquer imposto e qualquer custo de transporte faturado separadamente, e inclui qualquer subsídio sobre o produto.

Capitais

Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios 2014 indicam, ainda, que entre os sete municípios que concentravam 25% de toda a geração de renda do país em 2014, todos eram grandes capitais e tradicionalmente identificadas como concentradores da atividade de serviços – intermediação financeira, comércio e administração pública, exceto Manaus, cuja economia tinha equilíbrio entre as atividades de indústria (indústrias de transformação) e de serviços.

Excluindo-se as capitais, 9 municípios destacaram-se por gerarem, individualmente, mais de 0,5% do PIB, agregando 7,3% da renda do país. Essas cidades, com grande integração entre a indústria e os serviços – a exceção de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro – eram todas paulistas: Osasco e Campinas gerando 1%, cada; Guarulhos 0,9%; São Bernardo do Campo e Barueri, 0,8%, cada; Jundiaí e Sorocaba, 0,6%, cada e São José dos Campos, 0,5%.

Em relação ao ano anterior (2013), o município que mais avançou foi Brasília, com 0,12 ponto percentual. Este ganho de participação está relacionado com a atividade serviços. Ilha Bela, em São Paulo, ganhou 0,06 ponto percentual na participação em função do segmento extração de petróleo e gás; enquanto Niterói, no estado do Rio de Janeiro, avançou 0,05 ponto percentual. O ganho na participação foi especialmente detectado na construção de embarcações e empresas do ramo de borrachas e plásticos.

Estados

Os dados do IBGE indicam que, por estado, em 2014, São Paulo foi o que mais contribuiu para a formação do Valor Adicional Bruto do país, com 31,2% do total; seguido pelo Rio de Janeiro (11,7%); Minas Gerais (9,1%); Rio Grande do Sul (6,2%); Paraná (6,1%); Santa Catarina (4,1%); Bahia (3,9%); e o Distrito Federal (3,4%).

Essas oito unidades da Federação geravam mais de 75% do Valor Adicional Bruto do país e estiveram nas primeiras colocações. São Paulo ganhou participação em relação ao ano de 2013 (0,1 ponto percentual), mas, em contrapartida, foi o que mais perdeu participação quando a comparação se dá com 2010: menos 1,2 ponto percentual.

Minas Gerais e Paraná foram os que mais perderam participação em relação a 2013, ambos com menos 0,3 ponto percentual. Já na comparação com 2010, destaca-se Mato Grosso, o estado que mais ganhou participação, 0,3 ponto percentual.

De acordo com a pesquisa, na distribuição dos valores adicionados brutos da agropecuária pelos estados, observa-se que Rio Grande do Sul (11,6%), Paraná (11,4%), São Paulo (10,9%) e Minas Gerais (10,2%) foram os que mais contribuíram.

Valor Adicionado

A publicação Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios 2014 divulga, pela primeira vez, os três principais segmentos econômicos em cada município (agropecuária, indústria e serviços). Assim, foi possível constatar que – excluindo as atividades de administração, saúde e educação pública e seguridade social – a agropecuária respondia por mais da metade das economias em 1.135 dos 5.570 municípios brasileiros (20,4%) em 2014.

Segundo o IBGE, 210 deles estavam localizados no Rio Grande do Sul e 144 no Paraná, o que indica a importância dessa atividade econômica no país. O levantamento permite, ainda, a constatação de que, em 2014, 652 municípios (o equivalente a 11,7% do total do país) respondiam por metade do valor adicionado (VA) da agropecuária no país.

Valor adicionado é a contribuição ao produto interno bruto dada pelas diversas atividades econômicas, obtida pela diferença entre o valor bruto da produção e o consumo intermediário absorvido por essas atividades.

Individualmente, o destaque ficou com o município de São Desidério (BA), cujo valor adicionado chegou a R$ 1,7 bilhão.

Indústrias

Outra constatação importante da publicação do IBGE é a de que a indústria ainda é bastante concentrada no Brasil, especialmente em São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Segundo o instituto, 15 municípios concentravam cerca de 25% do Valor Adicionado Bruto do setor e 17,5% da população brasileira.

A concentração chega a tal ponto que 3.012 municípios respondiam em 2014 por 1% do Valor Agregado do Setor, com o município de São Paulo permanecendo como o maior polo industrial do país e chegando a responder por 5,6% do Valor Agregado da Atividade. Ainda assim, o município vem perdendo participação desde 2010, quando o percentual era de 6,4%.

A capital paulista também concentrava o maior Valor Agregado dos serviços em 2014 (excluindo-se a administração pública). A concentração chegava a 15,1%, vindo, a seguir, Rio de Janeiro (5,8%) e Brasília (3,1%).

Em 2010, as participações eram de 16,5%, 6,2% e 3,4%, respectivamente, o que mostra que houve um movimento de desconcentração dessa atividade entre os municípios. Outra constatação é a de que, em 2014, 35 municípios (0,6% do total), entre eles 18 capitais, concentravam a metade do Valor Agregado dos Serviços no Brasil, ao passo que 2.110 municípios (37,9%) respondiam por 1% do setor.