Muquém de São Francisco: PRE pede reforço policial durante eleições suplementares

O procurador Regional Eleitoral Sidney Madruga oficiou as polícias Federal e Militar, a Secretaria de Segurança Pública e o TRE pedindo prioridade no deslocamento de efetivo em 7 de abril, dia do pleito, para garantir a segurança da população.


O procurador Regional Eleitoral Sidney Madruga requisitou às polícias Federal e Militar, à Secretaria de Segurança Pública e pediu ao Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE/BA) prioridade no reforço policial durante o pleito suplementar em Muquém de São Francisco/BA, que ocorrerá em 7 de abril.

A Procuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE/BA) recebeu informações da Promotoria da 173ª Zona Eleitoral, relatando que a comunidade e os políticos de Muquém de São Francisco, situado a 710 km da capital, estão agitados com o pleito. Além disso, há notícias de ameaças de morte contra o promotor e o juiz de Ibotirama e de incêndio ao fórum da cidade.

A tensão vivenciada nos dois municípios gira em torno da possibilidade de participação, nas eleições suplementares, do candidato vencedor no pleito de outubro passado, que foi anulado. O político obteve mais de 50% dos votos válidos, mas teve registro indeferido pela Justiça Eleitoral porque não apresentou, no prazo, a certidão negativa da Justiça Federal de 2º grau. O documento serve para atestar se um político foi ou não condenado pelo tribunal a ilícitos previstos pela Lei da Ficha Limpa como critérios de inelegibilidade.

Até 19 de março, a Justiça Eleitoral da zona de Ibotirama, responsável pela região que abrange Muquém de São Francisco, não havia divulgado a decisão sobre a possibilidade de participação do candidato, gerando ansiedade e tensão a eleitores e políticos.

Com os ofícios expedidos à presidente e ao corregedor do TRE, ao secretário de Segurança Pública da Bahia, ao comandante geral da Polícia Militar e ao delegado chefe da Polícia Federal na Bahia, Madruga busca reforço policial para conter possíveis episódios de violência e garantir a segurança da população, eleitores e políticos do município.

Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal na Bahia

Deixe uma resposta